Música é usada como terapia à base de dados para ajudar na recuperação da saúde emocional e física

musica-e-usada-como-terapia-a-base-de-dados-para-ajudar-na-recuperacao-da-saude-emocional-e-fisica

Como se sabe, ouvir música pode trazer vários efeitos positivos na vida das pessoas, por exemplo, aumentar a produtividade, melhorar o humor, renovar a energia e até relembrar boas histórias, não é verdade? Mas, e  se a tecnologia te dissesse como a música afeta o seu corpo e sugerisse as que são ideais para tratar alguns sintomas, por exemplo?

Pois é! Essa é a proposta do The Sync Project, uma empresa que fica em Boston, nos EUA, e que tem como objetivo, descobrir se a música pode ser realmente usada como remédio. Olha só!

Para realizar essa pesquisa, o projeto convidou pessoas a ouvirem músicas enquanto mediam cada aspecto do seu corpo e comportamento. Para tanto, foi usada uma série de wearables (dispositivos vestíveis), como aparelhos que medem ondas cerebrais, monitor de batimento cardíaco e sensores de atividade física para coletar todos os dados possíveis.

O aplicativo

Depois dos estudos e testes realizados, o The Sync Project desenvolveu um aplicativo em que é possível visualizar métricas em tempo real enquanto se detecta movimentos faciais do usuário usando a câmera frontal do smartphone, por exemplo.

Com base no aprendizado da pesquisa realizada e a combinação destes dados captados do usuário em tempo real, o aplicativo mostra informações sobre os níveis de humor, foco, batimento cardíaco, excitação e temperatura corporal para determinar o estado emocional e físico da pessoa, bem como selecionar as músicas  ideais para esse momento e também entender como tais músicas o afetam. Interessante, hein?

Vale lembrar que em sua campanha de divulgação, o The Sync Project comenta que não tem a intenção de ser mais um serviço de recomendação baseado em algoritmo, mas sim usar a música como terapia. Ou seja, como forma de ajudar as pessoas a superarem seus problemas e melhorarem a qualidade de vida.

Atualmente, a empresa está testando seu protótipo para melhorar a precisão dos dados e poder lançar o aplicativo ao público com resultados mais garantidos. Além disso, eles querem unir o poder dos dispositivos vestíveis e tornar o aplicativo compatível com o máximo destes produtos disponíveis no mercado. 😉

E aí, o que você acha desse assunto? Compartilhe aqui a sua opinião com a gente 😉