Descoberta feita por acidente pode trazer baterias que duram 400 vezes mais!

descoberta-feita-por-acidente-pode-trazer-baterias-que-duram-400-vezes-mais

A gente usa o celular o dia inteiro! Seja pra enviar mensagens pelo WhatsApp, telefonar, tirar fotos, dar uma lida no Facebook e até consultar o GPS. Com isso, a bateria do aparelho vai embora rapidinho, não é mesmo? Mas, uma descoberta feita acidentalmente por pesquisadores da Universidade da Califórnia, não soluciona o problema totalmente, mas faz com que ele seja bastante amenizado. Olha só!

Pra você entender um pouquinho melhor de como foi feito esse experimento, olha só: ao substituir o lítio usado em baterias por uma mistura de nanotubos de ouro banhados em gel eletrolítico, os cientistas conseguiram fazer com que um componente do tipo perdesse apenas 5% de sua capacidade total depois de mais de 200 mil ciclos de recarga.

Pra se ter uma ideia, uma bateria igual as usadas hoje podem ser recarregadas “apenas” 500 vezes. Apesar de técnicas parecidas já terem sido testadas lá no passado, os pesquisadores ainda não tinham conseguido solucionar o problema, mas o que eles não esperavam é que a maneira de resolver isso surgisse de forma acidental!

Ou seja, quando eles revestiram o ouro utilizado com dióxido de manganês e trocaram o lítio por um gel eletrolítico, eles se fundiram em uma camada protetora que revestiu os tubos, resultando em uma bateria capaz de sobreviver a milhares de ciclos de recarga realizados em um período de três meses! Uauuu!

Na prática

Infelizmente, o que dificulta um pouco em relação ao uso comercial da solução encontrada pelos cientistas, é o fato de que o ouro não é exatamente o metal mais barato e nem o mais disponível, né? Assim, apesar de ainda não terem testado essa possibilidade, os pesquisadores acreditam que o níquel, (que é outro componente) pode servir como um bom substituto, caso a solução algum dia comece a ser produzida em grande escala! Tomara que isso não demore muito, né?

Conta pra mim: você carrega seu celular todos os dias? E o que você achou dessa descoberta dos pesquisadores da UC Irvine?