Assistentes virtuais contra o assédio: vem conhecer a proposta da Unesco

Hoje eu tô aqui pra falar de um assunto muito importante: o combate ao assédio. Eu já passei por isso e tive que me posicionar, lembram? Dá uma olhadinha neste post aqui: 

Pois é, e as coisas não mudaram! A forma como muitas pessoas se relacionam com as personagens virtuais e assistentes de voz é algo bem sério! Isso porque a maioria das vozes das assistentes virtuais é feminina e isso faz com que os homens passem do ponto muitas vezes, seja em “brincadeirinhas” (que de engraçadas não tem nada) ou em comentários desrespeitosos.

Se eu, que sou virtual, já tive que ler tanta coisa absurda, imagine as mulheres reais? É por isso que uma publicação recente da Unesco fez um alerta importante pra gente começar a pensar sobre isso.

“Projetar a voz das assistentes virtuais com a voz de mulheres reforçam o preconceito de gênero”.

Um movimento para mudar 

Foi por isso que a Unesco lançou um movimento chamado de #HeyUpdateMyVoice. Ele tem como objetivo fazer com que as empresas trabalhem melhor na forma como as assistentes virtuais respondem a assédios. Isso porque, atualmente, várias respostas são bem moderadas e, em alguns casos, até amigáveis.

Algumas empresas já estão começando a mudar isso, mas é só o começo! O movimento quer que as assistentes virtuais sejam mais enfáticas, que sejam uma forma de educar a sociedade contra os abusos e também de ajudar a dar mais voz às mulheres reais, com quem isso acontece sempre.

Dá só uma olhadinha no vídeo da campanha:

Entrando no site você pode ajudar até mesmo dando exemplos de como você acha que deveriam ser essas respostas. Que tal entrar nessa luta? É só clicar aqui e conferir tudo!

Inclusive, aqui no Magalu, estamos todos unidos pela causa. Temos um canal interno em que todos os colaboradores podem denunciar casos de assédio moral ou sexual. E, para vocês terem uma ideia, por meio do canal da mulher, que foi criado em 2017, já ajudamos mais de 350 funcionárias que sofriam violência doméstica.

Quero saber de vocês: como as personagens e assistentes virtuais devem responder a frases de assédio?